OAB/CE n° 1.006 | CNPJ/MF n° 21.508.284/0001-00
Advocacia | Assessoria Jurídica | Estratégia Legal
Direito Tributário | Direito do Trabalho | Direito Civil
Direito Penal | Direito do Consumidor | Direito Previdenciário
Assessoria Jurídica - Administração Pública
Assessoria Jurídica - Terceiro Setor - Sindicatos, Associações, ONGs
Assessoria Jurídica - Empresarial
Assessoria Jurídica e Administrativa em Recuperação de Créditos

Escritório Virtual

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,41 4,42
IENE 0,03 0,03
PESO (ARG) 0,15 0,15
PESO (CHI) 0,01 0,01
PESO (COL) 0,00 0,00

Previsão do tempo

Hoje - Várzea Alegre, CE

Máx
29ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Iguatu, CE

Máx
30ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Fortaleza, CE

Máx
30ºC
Min
25ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Acopiara, CE

Máx
28ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Página Inicial

Acusado de agredir companheira em Jijoca de Jericoacoara deve permanecer preso

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou liberdade para Marcos Ferreira de Sousa, acusado de agredir a companheira e os filhos dela em Jijoca de Jericoacoara. A decisão foi proferida nesta quarta-feira (16/05), sob a relatoria da desembargadora Francisca Adelineide Viana. De acordo com o processo, Marcos Ferreira foi preso em flagrante no dia 29 de janeiro deste ano, após ter agredido sua companheira e os dois filhos da mulher, entre eles uma criança com nove anos. As agressões causaram várias lesões nas vítimas, principalmente na criança que, no momento de pânico, tentou ajudar a mãe e a irmã. Após a prisão em flagrante, o Juízo de Jijoca de Jericoacoara converteu o ato em prisão preventiva. Para requerer a liberdade do acusado, a defesa impetrou habeas corpus (nº 0622336-77.2018.8.06.0000) no TJCE. Argumentou falta de fundamentação do decreto prisional e ausência dos requisitos autorizadores do cárcere. Sob esses argumentos, pediu a liberdade do acusado ou a internação compulsória, em razão de ele ser dependente químico. A 2ª Câmara Criminal negou o pedido, acompanhando o voto da desembargadora. “A alegação referente à dependência alcoólica do paciente [acusado] e à possibilidade de internação compulsória dele para tratamento, ou imposição de participar de grupos terapêuticos, não restou comprovada sua submissão na origem, de modo que o exame da questão por esta Corte implicaria em nítida e indevida supressão de instância, não sendo o caso de concessão da ordem ex officio, pois que a defesa não se preocupou em juntar aos autos qualquer documentação que pudesse comprovar a patologia do paciente e sua gravidade”, explicou a relatora.
16/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Sede | Acopiara - Ceará

Rua Marechal Deodoro  280
Centro
CEP: 63560-000
Acopiara / CE

Sede | Fortaleza - Ceará

Avenida Santos Dumont  1740  SL 903 - Ed. Rocha Aguiar
Aldeota
CEP: 60150-161
Fortaleza / CE
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.